quarta-feira, 25 de julho de 2007

Timor-Leste e ONU lançam apelo por 17,9 milhões de dólares

A comunidade internacional, através das Nações Unidas e de organizações de assistência, lançou hoje com o Governo de Timor-Leste um apelo para reunir 17,9 milhões de dólares (13 milhões euros) em ajuda humanitária, até ao final de 2007.


O responsável humanitário da missão internacional (UNMIT) anunciou também que a distribuição alimentar a metade da população de Díli terminará, nos moldes em que é feita actualmente, dentro de três meses.

A revisão semestral do apelo consolidado para Timor-Leste, discutida hoje numa sessão pública em Díli, coloca em 34,2 milhões de dólares (24,9 milhões de euros) o valor da ajuda necessária para garantir durante este ano a assistência aos deslocados da crise de 2007.

Um número estimado de 100 mil deslocados continuam a viver em campos ou em residências provisórias na capital e por todo o país, segundo a última actualização, divulgada há uma semana pelo ministério do Trabalho e da Reinserção Comunitária.

Díli tem pelo menos 30 mil deslocados, segundo os mesmos dados, parte de uma população de 69 mil pessoas (metade dos residentes da capital) que continuam a depender de ajuda alimentar providenciada pelo Governo e pelas Nações Unidas.

Esta é uma situação "que não pode continuar", declarou o responsável humanitário UNMIT, Finn Reske-Nielsen.

"As pessoas deste país têm que se erguer e andar por si próprias", acrescentou.

"Enquanto dermos comida gratuita a tanta gente, estaremos a prejudicar a recuperação económica de Timor-Leste", sublinhou Finn Reske-Nielsen.

O chefe da componente humanitária da UNMIT anunciou que, depois de vários adiamentos, a assistência alimentar (o chamado "food blanket" na gíria da ONU) "tem de ser progressivamente diminuída" e apenas será feita em "mais três distribuições nos próximos três meses".

"Depois disso, será feita assistência alimentar segundo critérios de vulnerabilidade e só essas pessoas receberão apoio".

O primeiro-ministro Estanislau da Silva referiu que o processo de saída dos deslocados de vários campos em Díli começou com a instalação de 96 famílias em Becora, provenientes do Hospital Central Guido Valadares.

O Governo pretende resolver "com mais urgência" a situação dos deslocados em "campos críticos" como o de Guido Valadares, que Estanislau da Silva definiu como "uma ameaça à saúde pública", o do Aeroporto Internacional e o que fica situado diante do porto de Díli.

"Uma das dificuldades é que até hoje não existe um processo de registo eficaz dos deslocados", referiu Finn Reske-Nielsen.

© 2007 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
2007-07-25 15:10:01

9 comentários:

Anónimo disse...

Este a dar a deixa para amanhã o Howard anunciar mais uma esmolinha. Estão todos feitos uns com os outros os gajos da ONU e os Australianos.

Anónimo disse...

Os 1,3, biliões de dólares do Fundo do Petróleo em apenas dois anos, obra do Alkatiri e da Fretilin, dão a dimensão da ganância dos Australianos e dos seus servidores, à frente dos quais está o Xanana.

Isso explica o seu entendimento com os líderes pró-integracionistas, nomeadamente com o antigo governador da Indonésia, Mário Carrascalão e os boys do ICG (Internacional Crisis Group), o lobby dos interesses das empresas petrolíferas do Mar de Timor, à frente do qual está o ex-MNE Australiano Gareth Evans.

Isto também explica o papel de empata do actual PR, que ousa falar em “profunda clivagem regional" nos resultados eleitorais ignorando que a Fretilin foi o único partido maioritário em distritos do leste e do oeste, e com uma votação equilibrada nos restantes e por isso mesmo foi de todos o mais votado em termos nacionais.

Anónimo disse...

Os únicos interesses da Austrália em Timor são bases e petróleo. E é imoral que a ONU tenha estado a dar cobertura às suas pretensões. Será que as afirmações desse funcionário da ONU em TL na véspera da chegada do PM Australiano se destinam a abrir caminho para o anúncio de alguma esmolinha? Estejamos atentos ao que o Howard vai dizer. É que a altura da visita me parece totalmente desadequada.

Anónimo disse...

Um homem recebeu o ordenado foi a casa e meteu o dinheiro debaixo do colchao e nao quiz comprar comida aos filhos esfomeados.Quando no dia seguinte foi acordar os filhos encontrou-os mortos pela fome.

Assim fez o governo de Alkatiri ao povo Timorense esfomeado.

Um Kanoik Timorense.

Anónimo disse...

A fotografia desta noticia diz tudo. AMP unidos, Fretilin nao consegue quebrar.

Anónimo disse...

Diga apenas um nome de um Timorense que morreu à fome quando Alkatiti era PM? Apenas um.

cobramalai disse...

"Um homem recebeu o ordenado foi a casa e meteu o dinheiro debaixo do colchao e nao quiz comprar comida aos filhos esfomeados.Quando no dia seguinte foi acordar os filhos encontrou-os mortos pela fome." ....?! como ?!.....
por favor, informem-se e sejam sinceros.... !!
quando é que os milhoes do petroleo começaram a cair efectivamente no banco, ie, em notas verdes, com liquidez para serem usados?!! no principio de 2006!! e coincidencia das coincidencias, um par de meses depois, qdo alkatiri se prepara para executar os planos de desnvolvimento delineados (e louvados por ene agencias humanitarias), dá-se o golpe.... e logo a seguir, qdo alkatiri sai, qual foi um dos ultimos passos dele? fazer aprovar em parlamento o aumento do orçamento de estado do ano seguinte (sabendo q ja nao iria receber qq louvor por tal acto) para que cerca de $200milhoes fossem o "balao" necessario para resolver emergencias do golpe e nao só.... quem foi o 1º PM de timor com $ de folga (nao doado, nao emprestado e apenas do petroleo) em caixa para usar? foi ramos-horta! executou? nao!
porque?! nao terá sido somente pq nao quis (tb nao posso achar q o homem é assim tao demoniaco) mas pq existem verdadeiras e gravosas falhas de capacidade humana e técnica para executar, e que infelizmente nao será nem em 5 nem talvez em 10 anos q se conseguem colmatar....
quem quer q ache q basta ter $$$ para criar desenvolvimnto e parar com a fome (que na verdade se trata de grave subnutriçao, mas nao propriamente fome como ha por exemplo em africa), é ignorante, e nao tem a minima ideia do que é timor nem a vida dos timorenses....

Anónimo disse...

Pois nem um único nome foi capaz de dar de um Timorense que tenha morrido à fome durante o tempo de governação da Fretilin. Nem um único.

Anónimo disse...

Se não fosse o Alkatiri bem queria ver quantos desgraçados não tinham já morrido. Estes cegos nem vêem que os estrangeiros só nos querem roubar.