terça-feira, 24 de julho de 2007

Timor-Leste: «Ninguém sabe o que pensa Reinado»



O comandante das Forças de Estabilização Internacionais (ISF) afirmou que «ninguém sabe o que pensa Alfredo Reinado» mas adiantou em entrevista à agência Lusa que «não há nenhuma ameaça significativa à segurança em Timor-Leste».

«Aprendi muitas coisas no meu tempo aqui, mas uma delas foi não pensar que é fácil perceber o que lhe vai na cabeça».

«O comportamento de Alfredo Reinado muda constantemente», declarou o brigadeiro-general Mal Rerden, comandante das tropas australianas e neozelandesas que integram as ISF.

«Ele tem uma personalidade complexa. Revela um lado de mentalidade militar 'machista' que, muitas vezes, se atravessa numa abordagem mais lógica da situação», analisou o oficial australiano.

Como adversário, Mal Rerden detecta em Alfredo Reinado «influências e prioridades opostas: algumas vezes parece pensar apenas nele próprio e noutras parece responsável por muito mais gente», acrescentou o brigadeiro-general das Forças de Defesa Australianas (ADF).

O major Alfredo Reinado, sobre quem pende um mandado de detenção, é alvo de uma operação de captura pelas ISF desde o final de Fevereiro de 2007.

Questionado sobre se, em algum momento, deu uma ordem directa e operacional às suas tropas para interromper a captura de Reinado, Mal Rerden respondeu apenas que «as ISF estão em Timor-Leste para garantir um ambiente seguro».

«A dificuldade do terreno» é a explicação de Mal Rerden para o facto de um fugitivo com cerca de 20 homens ter escapado durante 5 meses a uma força internacional de 1250 soldados.

«Em Timor-Leste, quem quiser escapar a coberto da noite e esconder-se na montanha consegue fazê-lo, como sempre aconteceu no passado», recordou o comandante das ISF.

«Esta é a realidade e, para impedir isso, seriam necessários dezenas de milhares de homens».

«Os timorenses têm muita experiência em esconder-se no mato e infelizmente isso deu-lhes várias capacidades e conhecimento em partes remotas da ilha», explicou o comandante australiano.

«Os líderes timorenses foram incrivelmente pacientes com Alfredo Reinado», afirmou também Mal Rerden.

O brigadeiro-general, entrevistado pela Lusa no quartel-general das ISF em Díli, Camp Phoenix, a poucos dias do final da sua missão em Timor-Leste, declarou-se «muito satisfeito» com a «melhoria constante da situação de segurança».

Mal Rerden sublinhou que tem «muito orgulho» no contingente que chefiou desde o final de Outubro de 2006.

«Não é fácil a um exército agir em operações de manutenção de paz», explicou o oficial australiano, «mas os militares das ISF foram sempre muito profissionais e muito controlados».

Dos onze meses que passou em Timor-Leste, Mal Rerden diz ter aprendido, «em primeiro lugar, a resistência dos timorenses».

«É gente muito, muito dura, com uma grande capacidade de resistência, em circunstâncias diferentes, tanto fisica como psicologicamente».

«A segunda coisa é a adaptabilidade dos timorenses, a sua versatilidade. Perante uma dada situação, conseguem encontrar uma maneira de contornar, ou passar por cima, ou lidar com uma situação em que a maior parte das pessoas ficaria bloqueada», declarou Mal Rerden.

«Mesmo no sentido político, são muito flexíveis e acho isso interessante».

«A última coisa que também me surpreendeu foi que, sendo pessoas tão pobres e sem privilégios, os timorenses ainda consigam ser felizes e estejam interessados e em condições de participar na vida», acrescentou o comandante australiano.

O brigadeiro-general, que desempenhou missões em várias representações diplomáticas da Austrália na Europa e Médio Oriente, regressa ao seu país para funções nas ADF.

Diário Digital / Lusa

24-07-2007 8:35:00

10 comentários:

Anónimo disse...

Bye, bye Mal, vai depressa e não regresses e já agora aproveita a viagem e leva contigo o resto dos boys. De uma coisa podes ter a certeza: não deixas saudades nenhumas!

Anónimo disse...

Obrigado General pela ajuda dada a Timor _leste. Ficaremos sempre gratos.

Thank you for helping East Timor, we will miss you and wish you return to visit us always.

Our thanks also to all boys and girls in the army with you.

Thank you.

Timor Leste.

Anónimo disse...

Caro MAjor Renden, se ainda nao sabe como o Alfredo pensa, podia ter lido o relatorio da Jornalista Michael Perreira.

A melhor e unica solucao para o caso do reinado e' deixa-lo em paz. Mas se quer o agarrar a forca precisa de pelo menos 10,000 homens para fazer face aos 1,00 que ele tem. E uma coisa importante que so eu lhe digo, cuidado com RAIFILA.

RAIFILA - universo paralelo

Anónimo disse...

Universo paralelo, reino das mentiras, há gente que se gosta de iludir e tenta iludir os outros. Prendam mas é esse meliante que já tem na consciência a morte de uma série de jovens que foram atrás dessas patranhas, ou acham que é ainda preciso desgraçar mais alguma família para o porem na prisão?

Anónimo disse...

Quem matou os jovens foi a ISF a mando do governo da Fretilin.

Se quer colar as culpas aos outros como gosta, va colalos aos seus.

Resolva mais e' o caso dos inocentes dentro da prisao de Becora antes de mexer com o Alfredo porque quando o povo continua a ver a injustica em Dili, mesmo que matem ou prendam o Alfredo, sempre surgira outro.

Pergunte aos familiares destes jovens massacrados pela UN se estao jangados com o Alfredo. A meu ver, Dili levantou-se naquele dia em apoio ao Alfredo.


Nao Acha?

E que e' isto de Universo paralelo?

Anónimo disse...

Quem mandou a ISF desencadear a operação de captura do Reinado foi o Xanana e o Horta.

Anónimo disse...

Horta trabalhava para o governo Fretilin. O Presidente mandado pelo PM que e' mandado pelo Parlamento e sem uma ordem juducial.

Tudo ilegal

Anónimo disse...

Não é isso que diz o Juiz Ivo Rosa e com toda a razão, quem não anda a cumprir os mandatos judiciais é quem não prende o Alfredo e o Juiz até lembra os faltosos: o chefe da UNMIT, o Comandante Australiano, o Procurador-Geral Longuinhos Monteiro e o PR Ramos-Horta.

Anónimo disse...

Afinal já passou a birra ao Xanana ou ainda não?

Anónimo disse...

Já está mais satisfeito, pelo menos amanhã vai estar com o boss.