terça-feira, 21 de agosto de 2007

Timor Leste: “Líderes da Fretilin devem resolver os problemas em Baucau e Viqueque”

Cornélio Gama L-7: “Líderes da Fretilin devem resolver os problemas em Baucau e Viqueque”

O Chefe da bancada Undertim no Parlamento Nacional, Cornélio Gama “L-7”, afirma que os líderes da Fretilin devem resolver os problemas de violência que se verificaram em Baucau e Viqueque, porque os militantes e simpatizantes do partido Fretilin, nestes distritos mais afectados pela violência, não querem ouvir ninguém.

«Na sexta-feira passada, no encontro com as F-FDTL, PNTL, UNPOL e FSI no aeroporto de Baucau, foi discutido o assunto de como resolver os problemas em Baucau, Lospalos e Viqueque. Foi ainda realizado outro encontro com a população, onde muitas pessoas gritaram contra o facto de os partidos derrotados se terem tornado vencedores e o partido vencedor das eleições se ter tornado derrotado, dando “Vivas” à Fretilin», informou Cornélio Gama L-7 aos jornalistas, no Parlamento Nacional.

Cornélio Gama L-7 explicou que em Baucau algumas casas foram queimadas e as actividades locais ficaram paralisadas, portanto os líderes da Fretilin é que devem resolver esses problemas.

«Quando fiz uma visita a Baucau, ouvi toda a gente a gritar “Viva Fretilin, A Luta Continua”, o que significa que essa gente são militantes da Fretilin. Todo o espaço desde a Vila Antiga até à Vila Nova ficou cheio de bandeiras da Fretilin, e além disso, de casa em casa e ao longo da estrada de Baucau a Laga, grupos da juventude apoiante da Fretilin apedrejavam desordenadamente as viaturas que passavam», informou Cornélio Gama.

Portanto, para resolver o problema, de acordo com o responsável, a liderança da Fretilin tem de descer à base e explicar aos seus militantes e apoiantes, pensando que não há necessidade de uma visita do Presidente da República ou do Primeiro-Ministro. JNSemanário.

8 comentários:

Anónimo disse...

Comunicado de Imprensa - FRETILIN dá orientações aos seus militantes para manifestarem-se pacificamente contra o Governo Inconstitucional

FRENTE REVOLUCIONÁRIA DO TIMOR-LESTE INDEPENDENTE
FRETILIN


Comunicado de Imprensa
16 de Agosto de 2007

FRETILIN dá orientações aos seus militantes para manifestarem-se pacificamente contra o Governo Inconstitucional

O maior partido de Timor-, FRETILIN, apelou aos seus apoiantes para que não usem violência e protestem de forma pacíficia contra a decisão inconstitucional do President Ramos-Horta em convidar os segundo partido mais votado, CNRT, em vez de convidar a FRETILIN que foi quem venceu as eleições.

Deputados e membros da liderança da FRETILIN visitaram diversos distritos de Timor-Leste para passar uma mensagem de paz aos militantes e apoiantes da FRETILIN.

José Reis, Primeiro Secretário Geral Adjunto da FRETILIN, nos distritos de Viqueque e Baucau, José Manuel Fernandes, Segundo Secretário Geral Adjunto da FRETILIN, no distrito de Covalima, Estanislau da Silva, deputado parlamentar, nos distritos de Dili e Manatuto, Ana Pessoa, deputada parlamentar, no distrito de Bobonaro, Cipriana Pereira, deputada, no distrito de Dili, e José Teixeira, deputado parlamentar, no distrito de Manufahi.

“Os líderes e os deputados da FRETILIN passaram o fim de semana em diversos distritos, pedindo aos nossos apoiantes para que não usem violência e para fazerem protestos pacíficos contra o governo inconstitucional,” disse Arsénio Bano, Vice-Presidente da FRETILIN

“A posição da FRETILIN, em relação à violência, tem sido sempre clara e não mudou. Qualquer pessoa que use a violência deve ser levado à justiça por estar contra a lei, independentemente da sua afiliação política,” afirmou Arsénio Bano.

“Iremos visitar os outros distritos que faltam, nos próximos dias, para passar a mesma mensagem aos nossos apoiantes.

“A decisão de José Ramos-Horta foi inconstitucional pois o primeiro partido mais votado, e não o segundo, é que deveria ter sido convidado a formar o governo. O Presidente da República deveria dado ao paritdo vencedor a oportunidade de negociar para formar um governo que representasse o desejo do eleitorado e que não afectasse a estabilidade.”

“Explicamos aos nossos apoiantes que a FRETILIN propôs que se formasse um governo de grande inclusão, com um Primeiro-Ministro independente e dois Vice-Primeiro Ministros, um da FRETILIN e outro do CNRT.

“Nós propusemos a formação de um governo de grande inclusão porque a FRETILIN acredita que as eleições demonstraram que esse é o tipo de governo que o povo quer, com os líderes do país a trabalherem em conjunto para trazer a estabilidade à nação.

“Esta proposta obteve o apoio do Presidente Ramos-Horta mas foi completamente rejeitada pelo Sr. Gusmão, que insistiu que ele próprio deveria ser indigitado pelo Presidente da República para Primeiro-Ministro, embora o seu partido não tenha vencido as eleições, obtendo apenas 24%.”

Arsénio Bano rejeitou a acusação feita pelo Sr Xanana Gusmão, afirmando que os líderes da FRETILIN foram aos distritos para reforçar os actos de violência.

Bano afirmou que “Logo após o anúncio do Presidente da República onde convidou o Governo Inconstitucional a ser formado, demos orientações para fazerem manifestações pacíficas e temos feito todos os esforços para acalmar a situação (veja Comunicado de Imprensa - Declaração de 6 de Agosto de 2007). O Senhor Xanana quer que todos aceitem-no como PM mesmo sabendo que não tem legitimidade, visto que obteu apenas 24% dos votos.”

“Em vez de acusar as outras pessoas, o Sr Gusmão deveria olhar para si próprio e pensar que ele prórpio, quando ainda era Presidente da República, contribuiu para a crise de 2006 ao passar mensagens inflamtórias e ter reforçado a divisão entre loromonu e lorosae. Ele também atacou a FRETILIN diversas vezes, e fez falsas acusações para tentar diminuir a popularidade da FRETILIN.

Bano disse que “o Sr. Gusmão não vê a realidade que 76% do eleitorado não votou no CNRT, e desses 76% muitos não o aceitam como PM por não ser de acordo com a Constituição.”

“O Sr Gusmão deve ver que o eleitorado tem tido várias inciativas para demonstrar a sua revolta em relaçao a decisão do Presidente da Reública. O eleitorado sabe que eles venceram, mas sentem que o sue voto não tem valor porque o Presidente da República não respeita os resultados das eleições legislativas de 2007.”

“A responsabilidade da lei e ordem e da UNPOL, das Forças Internacionais de Estabilização e da PNTL, e não da FRETILIN.”, afirmou Bano.

“Se o senhor Xanana, como PM, não tem capacidade para acalmar a situaçào, então é melhor resignar-se do cargo. A crise em 2006 teve inicio porque o Senhor Xanana quis obrigar-se para que se tornasse PM, e tem-se prolongado até agora.” concluiu Arsénio Bano.

Para mais informações, contacte:
Arsenio Bano (+670) 733 9416, Jose Teixeira (+670) 728 7080,
FRETILIN Media (+670) 733 5060
fretilin.media@gmail.com
www.fretilin-rdtl.blogspot.com, www.timortruth.com

Anónimo disse...

Se isto é acalmia vou ali e já venho...sempre, sempre a procurar tapar o sol com a peneira, estes gajos da ONU, mas depois vem o coordenador nacional da campanha do Horta e apoiante da chamada aliança e descobre-lhes a careca!

É de rir, são os próprios aliancistas a dizerem qu nem o Xanana nem o Horta, nem a ONU, nem os Australianos, nem ninguém, a não ser a Fretilin que tem capacidade para resolver os problemas!

Anónimo disse...

Então o Horta põe o CNRT no governo e vem um aliado dos dois e diz que nem o Horta nm o Xanana, nem a ONU e nem os Australianos conseguem resolver o problema e diz que têm que pedir à Fretilin para o resolver?

Que o Horta, o Xanana e a ONU eram uma cambada de incompetentes já sabíamos, que os Australianos também o eram, também já o sabíamos - andam há um ano à procura do Alfredo! - mas então porque é que o L-7 aprovou o governo do CNRT? porque é que alinhou nesse disparate? Mas ainda está na hora de votar contra eles. Espero bem que o faça para mostrar a sua coerência.

Anónimo disse...

Tropas Australianas provocam mais desassossego em Timor-Leste

FRENTE REVOLUCIONÁRIA DO TIMOR-LESTE INDEPENDENTE
FRETILIN

Comunicado de Imprensa
20 Agosto 2007

Tropas Australianas em Timor-Leste inflamaram uma situação já volátil ao arrancarem bandeiras da FRETILIN e limparem as costas com elas, disse hoje o Vice-Presidente da FRETILIN e deputado Arsénio Bano.

"O deitarem para o chão as bandeiras da FRETILIN é mais outra demonstração da natureza parcial da intervenção militar do governo de Howard em Timor Leste," disse Bano .

Disse que os incidentes ocorreram na parte leste do país em 18 de Agosto, em dois locais diferentes – Suco (região administrativa) Walili na estrada entre Baucau e Viqueque e na aldeia de Alala no distrito de Viqueque – onde os residentes tinham erguido a bandeira da FRETILIN em protesto contra o governo inconstitucional de José Alexandre Gusmão.

"Em Walili dois veículos militares Australianos cheios de soldados rasgaram uma bandeira da FRETILIN que tinha estado erguida na beira da estrada, limparam com ela as costas e continuaram caminho com a bandeira. A bandeira roubada foi devolvida mais tarde nesse dia por um capitão das forças armadas Australianas.

"Na aldeia Alala as tropas Australianas tentarem arrancar da corda uma bandeira da FRETILIN e depois passaram por cima dela .

"Condenamos estas acções extremamente provocatórias que têm inflamado uma situação já volátil. A bandeira da FRETILIN tem um enorme valor simbólico e emocional para o povo de Timor-Leste que vai para além dos membros e apoiantes da FRETILIN.

"Dezenas de milhares de pessoas morreram a lutar sob esta bandeira durante a luta pela independência, incluindo membros das famílias das pessoas que testemunharam quando a deitaram para o chão no Sábado .

"Os soldados Australianos insultaram os nossos mártires e toda a nação Timorense. A sua insensibilidade cultural e arrogância tipificam as operações militares Australianas na região do Pacífico."

Bano disse que os incidentes não podiam ser desculpados como acções de soldados individuais mal orientados.

"Os soldados seguem os exemplos dos seus oficiais e entendem os objectivos verdadeiros da intervenção parcial do governo de Howard em Timor-Leste, que teve um objectivo principal – a remoção do governo democráticamente eleito da FRETILIN e a sua substituição com o governo ilegítimo de José Alexandre Gusmão."

Por mais informação, por favor contacte:

Arsenio Bano (+670) 733 9416, FRETILIN Media (+670) 733 5060 ou

fretilin.media@gmail.com

Anónimo disse...

Arseno Banao esta a queimar-se cada vez mais com todas estas mentiras.

Pensei que o homem fosse esperto mas teimando desta maneira e' mesma coisa que querer saltar dentro de uma arreia movidica.

Anónimo disse...

Continuam alguns a insistir na moda de em vez de se responder politicamente a decisões políticas remetê-las para os tribunais, mas nem por isso as decisões políticas deixam de o ser e é difícil encontrar uma decisão mais política do que a do PR da RDTL ao convidar para formar governo o partido que foi derrotado nas eleições, usurpando assim um legítimo e constitucional direito do partido mais votado que foi a Fretilin.

E é essa decisão política do PR da RDTL que está a ser contestada por largas fatias do eleitorado, pois há 76% do eleitorado de Timor-Leste que não aceita essa decisão.

Aliás a decisão é tão polémica que até o bispo de Baucau – conhecido apoiante não apenas do PR como do actual PM (usurpador do cargo) -, nada mais encontrou para a justificar do que o fraco argumento "O PR não é nenhuma criança, não tomou a decisão por causa de uma insónia “.Até parece que o bispo de Baucau já confunde o PR com o Papa, esse é que é suposto ser infalível.

Assim sendo, atrevo-me a subir a parada e lembro ao bispo de Baucau que a voz do povo é a voz de Deus.

E quanto aos conselhos de se baixar os braços e remeter a queixa para o tribunal, lembro apenas que esse é o mesmíssimo conselho que está a ser dado por gente tão interesseira quanto o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Austrália, o antigo PM da África do Sul do Apartheid, W. Klerk, até mesmo um antigo PM da Nova Zelândia e Director da OMC e of course, toda a media alinhada.

Mas a realidade é que a maioria do eleitorado tem um entendimento perfeito da lei e da sua Constituição e tem a dignidade e a combatividade para lutar contra a usurpação dos seus direitos e pela reposição da ordem democrática e estão a mostrar isso mesmo, para espanto de muita gente e até do bispo de Baucau, que apenas agora parecem estar a acordar para a realidade de os Timorenses serem adultos, terem uma imensa dignidade e uma grande combatividade.

E é melhor que se convençam disto mesmo, senão serão os pesadelos que não lhes darão noites sossegadas.

Anónimo disse...

Meus amigos,
o povo sabe oque esta' na Constituicao e aceita a decisao do PR, so a lideranca da Fretilin e os seus grupos criminosos nao conseguem ver a verdade porque estao cegos pela arrogancia e ganancia ao poder.

A sua ignorancia e' tanta que ate' queriam um PM Independente e dois Vices. Mas que makakada estes gajos da lideranca Fretilin Maputo.

E agora anda esse burro do V Presidente da Fretilin a querer influenciar os Blogs com as suas ideias malucas. Ate o Jaco Xaier ainda e' melhor com os muitos que ele ja pregou (Banco, Rei, jurista e tologo com experto em tudo).



HAHHAhAHHHHhahahah (estou arir)
Sai um cavalo entra um burro.

Anónimo disse...

A clique do CNRT Austrália volta ao ataque. Calhandrices, divisionismos, interferências tudo tentaram desde que TL se tornou independente. Mas o resultado está à vista: perderam as eleições e foi a Fretilin que as ganhou.